Notícias





























Prefeitura do Recife promove ação de conscientização para a pandemia, utilizando máscaras de tecido em estátuas que são cartões postais da cidade


















Linda imagem do fotógrafo Bismarck Passos.
https://www.instagram.com/bismarck_passos/





As lições de Naná Vasconcelos








Reconhecido internacionalmente como o maior percussionista do mundo e ganhador de oito prêmios Grammy, o pernambucano Naná Vasconcelos, que nasceu no dia 2 de agosto de 1944 e faleceu em 9 de março de 2016 no Recife, deixou saudade e um legado para as nações de maracatu. Nesta sexta-feira, o recifense completaria 74 anos de idade.

Ao som dos tambores, ele comandou a abertura do Carnaval do Recife por 15 anos seguidos. A lenda da percussão brasileira começou a fazer música ainda criança, tocando bongô e maracás, e se envolveu com o movimento do maracatu em Pernambuco. Além da habilidade com os tambores, Naná também era referência pela facilidade em tocar berimbau.

br>













BAIXAR O RELEASE OFICIAL VIVA NANÁ




 


Naná Vasconcelos e a Batida da Vida




 


Możdżer+ Naná Vasconcelos – Kujawiak (Solidarity of Arts ’10)

 





Naná Vasconcelos e Don Cherry – Heineken Concerts 1994 part2




 


Naná Vasconcelos e Don Cherry – Heineken Concerts 1994 part3




 


Naná Vasconcelos e Don Cherry – Heineken Concerts 1994 part4




 


Naná Vasconcelos, Jack Dejohnette – Preludio Pra Naná




“EU SOU UM BRASIL QUE O BRASIL NÃO CONHECE”. Naná Vasconcelos.








 

DOIS ANOS SEM NANÁ

Hoje é um dia de pura saudade e agradecimento a Deus por te me dado esse presente de marido chamado Naná. Sigo a caminhada tendo ele como guia e tentando praticar os ensinamentos aprendidos com ele, dentre eles, o mais nobre; a Humildade.

O meu Viva ao meu Bravo e Sábio Naná!

Patrícia Vasconcelos
09 de março de 2018
 
 
 




 
 
 
 







 
PELA PERMANÊNCIA DOS MARACATUS NA ABERTURA DO CARNAVAL DO RECIFE
 

Venho por meio desta expressar a minha Tristeza e Indignação com a EXCLUSÃO das Nações de Maracatu da Abertura do Carnaval do Recife. Naná Vasconcelos entre outras coisas foi responsável pela maior manifestação cultural ocorrida no Estado de Pernambuco nos últimos tempos, solitário na sua luta, não deixou o Baque Cair, com muita Dignidade, Maestria e Sabedoria, Sabedoria, com S maiúsculo, essa que falta aos responsáveis por essa exclusão social, por essa Desconstrução Cultural que estar acontecendo.

A História foi escrita por meu Amado Naná, nada nem ninguém irá apagar, inclusive está indo para livros didáticos o que poucos sabem ou simplesmente não alcançam. Lamento pelos Mestres das Nações, Lamento! Pelos Batuqueiros que com os seus Baques deram vida ao espetáculo, Lamento! Pelo palco que ficará vazio de Emoção Verdadeira, sem pretensão!

Entrega total, todos preparados para a sexta-feira mágica! Magia que encantou, magia que fez Naná flutuar no palco de tão leve que essa música o deixava. Magia de uma preparação para uma verdadeira CELEBRAÇÃO de uma tradição construída com muita Luta e Determinação, uma verdadeira celebração!

Celebrar a Abertura do Carnaval para Naná era compartir, agregar, deixar o outro ser visto como protagonista da Festa e todos se sentiam assim, não existia um, existia um Todo. Um todo que agora deve se contentar com a quinta-feira para não sair de vez. Retirada Estratégica!

 
Patrícia Vasconcelos
New York
03 de janeiro de 2018
 
 
 




 
 
 




 
 
 




 
 
 
 




 
 
 




 
 
 




 




PELA PERMANÊNCIA DOS MARACATUS NA ABERTURA DO CARNAVAL DO RECIFE

Naná Vasconcelos com toda Maestria conduziu por 15 anos a Abertura do Carnaval do Recife com 15 diferentes nações de Maracatu oriundas de diversas comunidades da Região Metropolitana do Recife. Esse movimento foi para ele também um momento de celebração das diferenças e Exaltação das Similaridades, haja vista que Ele trabalhou além da música, agregando valores culturais e trazendo experiências novas para essas nações, o social, se entregando de Corpo e Alma e nessa entrega surgiram várias descobertas para ambos os lados.

Um ano após a partida do Meu Marido Amado, no carnaval passado trabalhei junto com os Mestres das referidas nações, o grupo Voz Nagô e Paz Brandão  na concepção de uma linda Homenagem no palco do Marco Zero da Cidade que serviu de cenário para essa Celebração, cultural concebida por Naná durante 15 anos consecutivos, anos de Luta, de sorrisos e de lágrimas , lágrimas de emoção e de tristeza a cada não recebido na tentativa de dar continuidade ao movimento, mas cada não serviu de motivação para a abertura desses caminhos, Parabéns Naná, Vc. Conseguiu! conseguiu deixar uma célula do seu trabalho com muita Dignidade e Bravura, Bravo, Bravo, Bravo! Naná!

Agora Eu Patrícia Vasconcelos, uma simples mortal no meu luto, luto para que esse movimento e espetáculo das Nações CONTINUE e FRUTIFIQUE, porque Naná viu mais do que a música, Naná viu o outro, o Outro que forma as nossas comunidades , o outro que chega do trabalho correndo para com o seu Alfaia, Abê, Ganzá, etc. se preparar para mostrar ao mundo a sua dignidade e a sua dignidade vem através da música. Viva aos Maracatus! Viva a Naná! e Não à Desconstrução desse movimento pelo poder público.

 
Patrícia Vasconcelos
EM 07 DE NOVEMBRO DE 2017
 
 
 




Milton Nascimento nascimento faz show em Pernambuco e se emociona falando sobre Naná Vasconcelos.




 




Matéria falando de Naná na revista BOSSA MAGAZINE (página 20).

 
 
Link para a compra do CD CAFÉ NO BULE de Naná Vasconcelos, Zeca Baleiro e Paulo Lepetit.




 





Ensaio na Rua da Moeda. Recife-PE.
Música de Naná Vasconcelos, Paulo Lepetit e Zeca Baleiro.




















MESA REDONDA: Naná Vasconcelos / Música / Cinema / Maracatus, com Patrícia Vasconcelos (PE).
Dragão do Mar Centro de Arte e Cultura (Auditório), às 10h.
Moderador – Prof. Dr. Maurílio Machado (UNILAB).



PROGRAMAÇÃO IX BIENAL DE PERCUSSÃO – HOMENAGEM À NANÁ VASCONCELOS



NOTA DE ESCLARECIMENTO

Recentemente foi verificada a utilização comercial não autorizada de obras, vocais e percussões da autoria do músico Naná Vasconcelos, falecido em março de 2016. Esclarecemos que a inclusão não autorizada de composições e demais trabalhos do percussionista em quaisquer mídias ou outros meios, com finalidade lucrativa, viola a Lei nº 9.610/98, sujeita a sanções de natureza cível e penal. Informamos, ainda, que o uso de qualquer material de autoria, coautoria ou com a participação do artista deve ser devidamente autorizado pelos atuais titulares, em respeito à preservação da sua imagem construída ao longo de uma sólida carreira nacional e internacional e do minucioso trabalho desenvolvido ao longo de décadas.


































NANÁ VASCONCELOS DEIXOU DISCO, SHOWS GRAVADOS E DOCUMENTÁRIO EM PRODUÇÃO